Previna-se contra a Dengue

O Aedes Aegypti não escolhe um criadouro específico. Basta um pouco de água em qualquer recipiente para que ele deposite seus ovos. No entanto, ações simples e rápidas podem ajudar no combate ao mosquito. É importante não deixar água parada e verificar locais óbvios, como calhas, caixa d’água, vasos de plantas e pneus, por exemplo. Também é fundamental fazer uma varredura em ralos e vasos sanitários, espaços por vezes esquecidos.

Sintomas e tratamento
Existem quatro tipos de vírus de dengue – sorotipos 1, 2, 3 e 4. A febre alta é um dos principais sintomas da doença. Outros são dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo.

A infecção por dengue também pode não causar sintomas, ser leve ou grave. Nesse último caso, pode até levar à morte.

As pessoas mais velhas têm maior risco de desenvolver dengue grave e outras complicações que podem levar à morte. O risco aumenta quando a pessoa tem alguma doença crônica, como diabetes e hipertensão.

Não há tratamento específico para a dengue. De acordo com a avaliação médica, são recomendadas medidas como fazer repouso, ingerir bastante água e não tomar medicamentos por conta própria. Pode ser recomendada também a hidratação com soro nas veias. Em caso de suspeita, é fundamental procurar um profissional de saúde para ter o diagnóstico correto.

A zika e chikungunya têm sintomas semelhantes aos da dengue como febre, dor de cabeça, mal-estar, dores pelo corpo e muita dor nas juntas. O tratamento também é feito de acordo com os sintomas.

No caso da chikungunya, algumas pessoas podem desenvolver um quadro pós-agudo e crônico com dores nas articulações que duram meses ou anos.

Panorama
Segundo o Ministério da Saúde, de 3 de janeiro a 9 de outubro de 2021, da 1ª até a 40ª semana epidemiológica, o país registrou 479.745 casos de dengue, redução de 47,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

Nesse mesmo intervalo foram confirmadas 199 mortes por dengue, redução de 64% se comparado com 2020.

Fonte: Ministério da Saúde

Compartilhe