Com o intuito de representar os infectologistas gaúchos, a Sociedade Riograndense de Infectologia (SRGI) foi criada em maio de 1982. A federada da SBI destaca-se pelas inúmeras ações de saúde pública realizadas por seus membros, com importantes contribuições tanto no âmbito técnico quanto no científico.

A SRGI já colaborou na produção de importantes consensos terapêuticos voltados ao HIV/Aids e antirretrovirais. Além disso, participa ativamente nos programas de residência médica do RS, contribuindo para a formação dos futuros infectologistas. Cerca de 90 associados integram a federada atualmente.

Histórico

A Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre foi o berço da criação da Sociedade Riograndense de Infectologia (SRGI) em maio de 1982, que nasceu com o propósito de representar os especialistas da área no Estado e apoiar a estruturação e as ações da SBI logo no seu início. Em 23 anos, foram seis os infectologistas gaúchos que se empenharam em dirigir a SRGI, avançando nos propósitos de ampliação da atuação e de fortalecimento da especialidade na região Sul do país.

Durante muitos anos, no Estado do Rio Grande do Sul, formava-se apenas um infectologista por ano, na residência médica da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre. Atualmente há mais cinco programas de residência em Infectologia no Estado, em hospitais ou universidades, sendo dois no interior do Estado. Os associados da SRGI são os responsáveis pelo ensino da Infectologia e formação de novos profissionais, em todo o território gaúcho.

Os membros da Sociedade Rio-Grandense de Infectologia têm participado de inúmeras ações de saúde pública, com relevantes contribuições de âmbito técnico-científico. Em nível nacional, os infectologistas da SRGI colaboram com os consensos brasileiros de terapia antirretroviral de adultos e de transmissão vertical do HIV, ambos do Programa Nacional de DST/Aids.

No âmbito da Secretaria Estadual de Saúde, tem assento na coordenação do Programa de Vacinas e na Câmara Técnica de Antirrretrovirais, além de permanente contribuição na elaboração de normas técnicas para doenças infecciosas e parasitárias. Representantes da SRGI participam ainda do Grupo de Avaliação da Relação Municipal de Medicamentos e da Câmara Técnica de Infectologia do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul.

A Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre foi o berço da criação da Sociedade Riograndense de Infectologia (SRGI) em maio de 1982, que nasceu com o propósito de representar os especialistas da área no Estado e apoiar a estruturação e as ações da SBI logo no seu início.